turma

Cabraisense desenvolve horta suspensa em creche

Cristiano Silva
imprensa@novocabrais.rs.gov.br

horta

Crianças se divertiram na produção das hortas suspensas

Estimular a valorização social através do trabalho e fortalecer o vínculo das crianças com a terra e com os alimentos ricos e saudáveis. Partindo desta ideia a cabraisense Bruna Caroline Roos desenvolveu um projeto de uma horta orgânica suspensa junto aos alunos da Escola Municipal de Ensino Infantil (Emei) Nossa Senhora de Fátima, em Novo Cabrais. Para a realização da ação foram utilizados paletes, garrafas pet e diversas mudas de hortaliças.

FONTE DE ALIMENTO SAUDÁVEL

OPÇÃO 2

Bruna realizou ação com crianças de 4 a 6 anos da Emei Nossa Senhora de Fátima

Os paletes de madeira foram pintados de cores aleatórias e fixados nos muros do pátio da escola. As garrafas pet foram amarradas nos paletes com abertura na parte superior da garrafa para a introdução do solo e plantio da hortaliça, ação esta praticada por crianças de 4 a 6 anos da Emei Nossa Senhora de Fátima, sob a supervisão de Bruna e da equipe diretiva da escola. “A horta suspensa orgânica tem o objetivo de promover a interação entre alunos, funcionários e professores. Além das verduras servirem como fonte de alimento para as crianças, também irá servir como exemplo de aprendizagem, fortalecendo o vínculo das crianças com a terra, demonstrando as formas de produzir alimentos saudáveis com as próprias mãos e sem ocupar muito espaço”, ressaltou Bruna Caroline Roos, que cursa Licenciatura em Educação do Campo, no Centro de Ciências Rurais, na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), e apresentou o projeto na disciplina de Seminário Integrador I.

PROJETO EM SEQUÊNCIA

OPÇÃO 1

Bruna orientou crianças na produção

De acordo com Bruna a ideia é manter o contato com as crianças e com a organização da horta. “Vou acompanhar o crescimento das plantas, já combinei com as crianças de continuar molhando, vou lá conversar de novo, regar, e isso ficará para eles, inclusive podendo ser utilizado na própria merenda escolar”, comentou Bruna, que finalizou: “As crianças se envolveram muito no projeto. Teve muita interação por parte delas, e acredito que vai fazer com que se interessem em produzir e consumir os alimentos saudáveis”.